Alexander McQueen – Abelha rainha

Confira o making of do desfile Alexander McQueen, Spring Summer 2013. Repare no trabalho meticuloso das casas-de-abelha, nos chapéus com vazados de favo, nos bordados cor de mel.

#das_poucas_coisas_que_tem_me_emocionado_na_moda

SPFW no MSF

À partir de hoje vou estar postando direto do SPFW. Acompanhe aqui: fotos inéditas, algumas emoções e pensamentos imperfeitos.

20120611-123443.jpg

Fotos feitas por mim usando i-phone e aplicativos para celular.

Cabelo é roupa

Tempos atrás, a marchinha de carnaval dizia: “O teu cabelo não nega mulata, pois és mulata na cor…”. Por volta de 1990, Gal Costa cantava: “Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada. Quem disse que cabelo não sente, quem disse que cabelo não gosta de pente. Cabelo quando cresce é tempo, cabelo embaraçado é vento”Itamar Assunção, por sua vez, em 2004, entoava: “Eu tenho cabelo duro, mas não tenho miolo mole. Sou afro-brasileiro puro…”

Folheando meus arquivos, encontrei uma foto publicada na revista i-D em 1997, de um look de Alexander McQueen feito de cabelo. Isso me remeteu imediatamente aos desfiles das marcas FH por Fause Haten e Melk Z-Da do inverno 2011.

 

Look de Alexander McQueen na revista i-D / dezembro de 1997
Look de Alexander McQueen na revista i-D de dezembro de 1997
Desfile FH por Fause Haten - inverno 2011
Desfile FH por Fause Haten / Inverno 2011
Desfile Melk Z-da / inverno 2011
Desfile Melk Z-da / Inverno 2011

Coincidências Incríveis nas Passarelas de Primavera-Verão 2011

Ao editar os desfiles internacionais de primavera-verão 2011, que acabaram de acontecer em Nova York, Londres, Milão e Paris, me deparei com algumas coincidências interessantes, do ponto de vista visual e conceitual. Espia só!

Imagem: looks minimalistas das marcas Calvin Klein, Céline e Prada
MINIMALISMO SEXY: Calvin Klein, Céline e Prada
Imagem: Em Milão, Emporio Armani; no Fashion Rio, Lucas Nascimento
SAIA SOBRESSALENTE: em Milão, Emporio Armani; no Fashion Rio, Lucas Nascimento
Imagem: looks desfilados por Céline, Stella McCartney e Prada, apresentando a tendência de uniformes
NOVO UNIFORME: Céline, Stella McCartney e Prada
Imagem: looks da Marni na Semana de Milão, e de Ronaldo Fraga na SPFW.
FORÇA ARTESANAL: na Semana de Milão, Marni; na SPFW, Ronaldo Fraga

Em alguns casos, a semelhança é tão grande que é o caso de se pensar… Será que as grifes compartilham o mesmo ponto de vista? Ou, no caso dos desfiles do SPFW e do Fashion Rio que precederam os do hemisfério Norte, teria havido cópia? Estaria o Primeiro Mundo olhando tão atentamente para a moda abaixo do Equador? Ou estariam todos meio perdidos, buscando rumos e filtros nos mesmos bureaus de estilo, tipo WGSN? #PairamDúvidas

[Fotos: Style.com]

Qual é o pente que te penteia?

Espelho, espelho meu, onde será que eu já vi estes cabelos tribais antes?

Raissa na passarela de Tufi Duek / Foto: Agência Fotosite

Detalhe do cabelo de Aline Weber, no desfile de Tufi Duek / Foto: Agência Fotosite

Pensa bem…

Editorial da Vogue Hommes Japan, com fotos de Mariano Vivanco e styling de Nicola Formichetti

PS- Como estou fazendo a cobertura do SPFW para a revista Quem, está difícil de postar aqui. Dêem uma olhada no blog da revista, enquanto isso. Beijo, me twita! @modasemfrescura

a libertação da moda

O fotógrafo João Wainer publicou ontem, em seu blog, fotos memoráveis de um desfile de moda realizado no Presídio do Carandiru em dezembro de 1999. Infelizmente, não presenciei o evento histórico em que 13 travestis, todos detentos, brilharam na passarela graças à ideia (assustadora e genial) de Sophia Bisilliat. As roupas foram fornecidas pelo estilista Marcelo Sommer, que coordenou uma equipe profissional de maquiadores, iluminadores e DJs, “como se estivesse prestes a desfilar na Paris Fashion Week”.

Confira o texto e mais imagens, de arrepiar, lá no blog do João Wainer.

PS- Este episódio também é relatado por Jotabê Medeiros, no livro sobre Marcelo Sommer que faz parte da Coleção Moda Brasileira, da Cosac Naify.

Gerador Automático de Críticas de Desfile

Por falar em crítica de desfile, se tem alguém que eu admiro, como jornalista de moda, é a Regina Guerreiro. Este post é dedicado a ela.

Deus salve a Regina!

Eu confesso que quando era mais nova, mais inexperiente e mais arrogante, achava os textos dela muito afetados, com as alfinetadas que pareciam dardos envenenados, cercadas de “uiuiuis” e “queridinhas”, por todos os lados. Aos poucos, fui me dando conta do tamanho da sua expertise, do tanto de talento e coragem que havia ali. Não era preciso concordar com sua opinião para me deleitar com os textos.  Regina Guerreiro construiu uma persona e uma  linguagem inigualáveis.

E nestes tempos bicudos, de mercado em crise e clientes inseguros, passei a admirá-la ainda mais. Com a internet e os blogs, todo mundo passou a ter plataforma de comunicação, mas falta culhão, falta independência para “chutar canelas”, sob pena de perder os jobs escassos e os assentos numerados nas primeiras filas de desfile.  E a imprensa oficial, como todo mundo sabe, sempre teve o rabinho atado a anunciantes e interesses comerciais.

Mais do que nunca, nessa era de overdose visual e confusão conceitual, sinto falta de um olhar afiado, uma ironia fina, um humor mordaz. Do tipo que Regina Guerreiro tem nos proporcionado, há muitos anos.

Quem mais poderia ter escrito, muitas “saisons” atrás, algo que parece tão óbvio e significativo, hoje?

“Talvez seja porque o mundo now exija uma overdose criativa que ninguém agüenta. A moda deveria ser uma conseqüência direta da vida e da evolução do mundo, em termos de necessidades, em termos de desejos. Mas lugar nenhum muda de comportamento a cada seis meses, certo? Aiaiai, nunca a palavrinha “moda” foi tão falada, endeusada, bem agora que está tão frágil, completamente vazia dela mesma. Já embabadaram, já arrancaram os babados, já encompridaram, já encurtaram, já decoraram, já minimalizaram, já “fecharam”, já decotaram, e assim por diante… Não sei quantas vezes na minha vidinha-fashion já li títulos babacas, tipo “a mulher agora está mais feminina”, ou “a moda está mais sexy do que nunca”, etc., etc…. Uiuiui, que tédio. Cadê a emoção? Não acontece. Cadê o look revolucionário de Courrèges? Cadê os tecidos plissados à prova d’água que Miyake inventou? Cadê o luto-fashion que os japoneses impuseram?? Tudo – parece – já passou. Os estilistas agora viraram business-men… Ou, então, será que foram os business-men que viraram estilistas? Claro, existe a turminha da “resistência”, mas – tadinhos – sobreviver é difícil. Fazer o quê? A tal da “moda” se repete, a tal da “moda” enlouquece… “
Regina Guerreiro na Caras, falando da coleção Fall 2007 – 2008 de Jean-Paul Gaultier.

Por isso, em homenagem a ela, apresento o Gerador Automático de Críticas de Desfile a la Regina Guerreiro.

É só clicar no link: http://www.modasemfrescura.com/gerador-de-critica, preencher os campos em branco e ler uma crítica a la Regina Guerreiro, personalizada!  “Vai, queridinha, circulando, circulando!”

10 looks para 2010

10 looks que vão influenciar 2010

Aproveitando o final de ano, fui rever os desfiles de primavera-verão 2010 do hemisfério norte para identificar tendências e possíveis influências nas apresentações brasileiras que estão por vir.

1. Uma das grifes mais copiadas no planeta fashion, a Balenciaga de Nicolas Ghesquière mostrou looks urbanos e atléticos, com um leve toque tribal visível nos sapatos e na maquiagem. As calças justérrimas, os tops com capuz e patchwork de listras, devem ganhar as ruas em versões mais acessíveis, feitas pelas redes de fast fashion.


O tribalismo atlético da grife Balenciaga
O tribalismo atlético da grife Balenciaga

2. As mulheres mitológicas de Alexander McQueen, oriundas de uma Atlântida platônica, usam vestidos curtíssimos com estampas digitais ultra sofisticadas. Peles de répteis e motivos marinhos são as padronagens que adornam o corpo da nova raça humana, na visão pós-apocalíptica do estilista.


A princesa submarina de McQueen
A princesa submarina de McQueen

3. Christophe Decarnin deve repetir o sucesso de suas últimas coleções para a Balmain, desta vez com casacos militares de ombros marcados, camisetas perfuradas a bala, calças skinny e vestidos que remetem a um estilo meio Pedrita, meio gladiador. É fácil visualizar o look rebelde glam, que reúne peças destruídas com outras enfeitadas, se alastrando no mercado de grande difusão como fogo num rastro de pólvora.


O militarismo sexy de Dercarnin, na Balmain
O militarismo sexy de Dercarnin, na Balmain


4. Mais uma inspiração primitivista, desta vez na passarela da Rodarte. Para compor o figurino de suas mulheres guerreiras, as irmãs Kate e Laura Mulleavy juntaram pedaços de materiais variados, como tecido, couro, renda, plástico e crochê,  criando drapeados elaborados, orgânicos. O luxo, aqui, tem aspecto de destruído, empoeirado, envelhecido.


Os andrajos chiques da Rodarte
Os andrajos chiques da Rodarte

5. Eu achava que nunca mais, nesta encarnação, conseguiria olhar para um lenço palestino sem sentir uma onda de tédio tomando conta do meu ser fashionista.  Mas Riccardo Tisci conseguiu recriar a padronagem do lenço keffiyeh de maneira espetacular, na coleção da Givenchy. Distorcida, a padronagem ficou meio psicodélica, e me lembrou os desenhos de M.C. Escher.


O lenço palestino, quem diria, foi desfilar na Givenchy
O lenço palestino, quem diria, foi desfilar na Givenchy

6. Até agora, todas as imagens selecionadas, embora diferentes entre si, tinham como denominador comum um tom de rebeldia apocalíptica. Mas os desfiles de primavera-verão do hemisfério norte também foram pródigos em feminilidade. E o da Lanvin é o exemplo máximo disso, com Alber Elbaz mostrando, mais uma vez, grande apuro técnico em peças com babados espiralados, bordados fabulosos e drapeados de gênio. Difícil eleger um look, entre tantos objetos de desejo, mas os macacões, ah…


O glamour impecável da Lanvin
O glamour impecável da Lanvin

7. Muita gente acha que Phoebe Philo merece o crédito por ter criado as melhores coleções da Chloé, entre 2001 e 2006, período em que substituiu Stella McCartney na direção criativa da marca. Agora, ela está a caminho de tirar a Celine do segundo time de grifes francesas. Esta sua segunda coleção na maison, de primavera-verão 2010, aposta num minimalismo acessível e impecável, com um toque utilitário e sedutor.


A Celine entra no primeiro escalão da moda, graças a Philo
A Celine entra no primeiro escalão da moda

8. Os drapeados e as referências militares, que apareceram em quase todas as coleções desta estação, se uniram para revitalizar os tradicionais trench coats da Burberry. A marca britânica, dirigida por Christopher Bailey desde 2001, mostrou muitas versões de seu icônico casaco, com drapês nos ombros, nas costas, nas saias. Por baixo,  os vestidos de tule de seda foram trabalhados com a mesma técnica.


A reinvenção de um clássico da Burberry
A reinvenção de um clássico da Burberry

9. Lauren Bacall foi o símbolo escolhido por John Galliano para resumir uma coleção calcada no glamour hollywoodiano. Apesar do trench coat ter dado as caras por aqui também, foi quando o estilista resolveu remexer na gaveta de lingeries que a coisa pegou fogo.  Sutiãs, ligas e badydolls se transformaram em vestidos luxuriantes, para femme fatale alguma botar defeito.


Luxo e luxúria na Dior
Luxo e luxúria na Dior

10. Escolher este último look, numa estação não muito inspirada, foi uma tarefa dura. Vi e revi os desfile uma dezena de vezes. Para não repetir a Lanvin (ah, aqueles drapeados…) e levando em conta que a volta do tailleur está em pauta, acabei escolhendo um look da Chanel. Não que eu não tenha gostado da coleção do kaiser Karl – que foi jovial e fresca, com transparências, rendas e texturas artesanais enfeitando as peças – mas é que não vi nada de tão inovador ali. Foi bonitinho, e só.


O tailleur Chanel: para menores de 21 anos
O tailleur Chanel: para menores de 21 anos

caindo de moda

Quero contar para vocês uma novidade muito bacana, em primeira mão! Estou terminando de escrever meu primeiro livro. É um projeto feito em parceria com a jornalista, e amiga querida, Silvana Tavano, para Editora TAO.  Trata-se de um guia para modelos iniciantes, com tudo que uma garota precisa saber para encarar essa profissão que parece cheia de glamour, mas envolve muita seriedade, determinação e foco. Além de um pouco de sorte. Logo mais eu conto mais detalhes sobre este projeto!

Nos últimos dias, entrevistei várias tops sobre seus melhores e piores momentos na carreira de modelo. E não deu outra: o tombo na passarela é uma unanimidade quando se fala em pagar mico. Então, desencavei este vídeo da Fashion TV que fala sobre os fatores que podem transformar um desfile num show de vídeo-cassetadas. Tem depoimento da Daria Werbowy, da Izabel Goulart e uma queda absurda da Jessica Stam (tadinha!). Clique na imagem abaixo para ver!

youtube