Fábrica low tech

Estudantes da ECAL (Ecole cantonale d’art de Lausanne), que fica em Lausanne (Suiça), criaram máquinas low tech que fabricam objetos como brinquedos e luminárias. Uma delas, no formato de cadeira de balanço, tricota sozinha, movida pelo movimento de vai e vem. Simples, engenhoso, genial!

(via Update or Die)

A vitória da natureza sobre a moda

Muito interessante o trabalho da jovem estilista Egle Cekanaviciute, natural da Lituânia, e graduada pela Saint Martin School, em Londres. Em 2010, ela criou uma coleção que relacionava ortopedia e alfaiataria, questionando a busca pela perfeição estética de ambos. Já no ano passado, ela partiu do princípio que toda criação humana é inferior em relação ao poder da natureza. A nova coleção aponta, assim, para a dualidade entre o natural e o artificial.

As peças com formas minimalistas têm bolsos, drapeados e recortes especialmente desenhados para acolher sementes de plantas.  Ao se desenvolverem, as mudas constroem novas silhuetas, aleatórias e híbridas.

UPDATE (junho de 2018): Acabo de descobrir que a jovem estilista citada aqui em 2012, se transformou em bióloga espacial da NASA. Surpreendente! 

Agora, o título do post deveria mudar para: A vitória da ciência sobre a moda.

(Obrigada pela dica, Juliana Tozzi e Thais Graciotti)

Domingueira animada com BLA BLA

Feito por Vincent Morisset, BLA BLA é um filme de animação interativo para computador. A partir das ações do espectador, os seis capítulos da história desvendam questões fundamentais da comunicação humana, como o aprendizado da linguagem e a expressão das emoções. E o faz de forma lúdica, simples e até desconcertante.

UPDATE: Infelizmente não dá mais para interagir com os personagens criados por Vincent Morisset e Caroline Robert, pois o site era feito em Flash, tecnologia que foi descontinuada. Mas dá para ver como a coisa funcionava no vídeo abaixo. 

UPDATE 2: Em 15.03.2012 Bla Bla ganhou o Prêmio de Interatividade no SXSW.

Dica deliciosa da Flavia Fiorillo, do blog Mamãe Sabe Tudo.

Domingueira de inspiração e sustentabilidade

Eu sou mega fã do TED, evento que reúne mentes criativas para espalhar novas ideias e gerar ações que ajudem a transformar o mundo de forma positiva. O formato é bastante simples e eficaz, através de palestras com duração de, no máximo, 18 minutos, que acontecem em vários lugares do mundo e depois são disponibilizadas na internet.

Já falei sobre isso em alguns posts: aqui, quando soube que teria a honra de participar do TEDx São Paulo, ali ao citar uma palestra sobre a virtude das cópias da moda, por exemplo. Mas ainda não tinha comentado nada sobre o TEDx Amazônia, que aconteceu nos dias 6 e 7 de novembro de 2010, em Manaus.

Muitas das apresentações já estão disponíveis no site do evento. Ainda não assisti a todas, mas queria recomendar a de João Felipe Scarpellini, que aos 13 anos, redigiu seu primeiro projeto social, foi esnobado por cerca de 100 entidades envolvidas em projetos ligados à juventude, virou o jogo e hoje, aos 24, acumula a experiência de ter participado de mais de 400 projetos, em 42 países.

Outras sugestões de palestras: Regina Casé sobre a produção cultural da periferia; e Guti Fraga sobre o projeto de arte Nós do Morro, ambos participantes da TEDx São Paulo