Preservativos de luxo Louis Vuitton

O arquiteto e designer alemão Irakli Kiziria criou um preservativo de luxo com o logotipo da Louis Vuitton. Ele não tem qualquer ligação com a grife e disse em seu site que desenvolveu o produto para que, eventualmente, ele possa beneficiar a AmfAR (The American Foundation for AIDS Research. Além do monograma na embalagem, a camisinha tem a sigla LV em relevo, no latex. Será que a tradicional marca francesa encara essa? E os consumidores, vão querer grifar até as partes íntimas?

Vi no blog Moda para Homens.

Paper Punk – faça seu próprio paper toy

Robozinho de papel da Paper Punk

 

Adorei os toys da Paper Punk, marca idealizada por Grace Hawthorne. Eles vêm em cartelas destacáveis de papel encorpado e só precisam ser dobrados e encaixados para se transformarem em lindos robôs, carrinhos ou animais. Cada kit inclui ainda dezenas de adesivos decorativos e instruções fáceis de seguir, em formato de poster. Preços a partir de 9.99 dólares, mais o frete.

 

O Noel de Ronaldo Fraga

Ronaldo Fraga está celebrando o Natal em suas lojas de um jeito bem brasileiro e original. Seu Papai Noel não tem barba branca, não mora no Polo Norte e tampouco anda num trenó puxado por renas. Ele é carioca de Vila Isabel, sambista e compositor dos mais importantes do Brasil, e tem uma flor no sobrenome. Quem não souber de quem se trata repete de ano na matéria “cultura popular” e não ganha presente de Noel!

Sim, o Natal de Fraga gira em torno de Noel Rosa, inspiração da coleção primavera-verão que está nas lojas. Por isso, hoje, às 15:30 hs, rola um pocket show com Carol Bezerra interpretanto composições dele na loja de São Paulo, na Vila Madalena.

Obrigada pelo presente, Ronaldo!

Pocket show com Carol Bezerra
Sábado, 10/12/2011, às 15:30h
Rua Aspicuelta, 259, Vila Madalena, São Paulo

Marc Johns: ilustração, humor e ironia

Marc Johns é um ilustrador canadense que consegue, com poucos traços de caneta e pinceladas de aquarela, criar personagens meio absurdos, com humor sutil e ironia fina.

Autor do livro Serious Drawnings, ele colabora com várias publicações norte-americanas de prestígio, como New York Times Magazine, Wired e Newsweek. Tem o hábito de fazer seus próprios cadernos de desenho, tocar guitarra e postar no blog fotos de pessoas que tatuam seus desenhos.

Dica: o autor avisa, em seu blog, que a tiragem do livro está quase esgotada, que o site Book Depository ainda tem exemplares e despacha internacionalmente sem taxa de envio. O preço é $16 (dezesseis dólares, o que eu achei bem baratinho para um livro ilustrado com capa dura). Já garanti o meu, espero que não demore muito a chegar.

Cris Guerra, a moda e a arte

A não ser que você não tenha o hábito de acessar blogs de moda e estilo, e tenha caído aqui no Moda Sem Frescura de paraquedas, certamente conhece o trabalho da Cris Guerra, blogueira do Hoje Vou Assim. 

Precursora, no Brasil, do modelo de blog que publica looks diários, Cris sempre foi bem mais do que uma moça estilosa com um guarda-roupa bacana. Construiu uma carreira bem sucedida como redatora publicitária, escreveu o livro Para Francisco, e passou a colaborar com jornais, revistas e rádios. Recentemente, abriu mais uma frente de atuação: criou uma coleção de acessórios em parceria com Lita Raies, vendida na loja virtual. 

E sobretudo, sempre soube que a moda deve ser usada como uma forma de expressão, de forma criativa e libertadora. Confira o vídeo postado hoje por ela, com alguns pensamentos lúcidos sobre o assunto.

Além de demonstrar minha admiração por Cris Guerra, este post tem o intuito de chamar a atenção para o fato de que não basta se vestir com roupas caras e posar de fashionista num eterno lookbook online.  O fenômeno da blogueira patricinha, com uma bolsa de grife na mão e nenhuma ideia na cabeça, já ultrapassou todos os limites do ridículo. 

UPDATE: o inferno da blogosfera tem subsolo.  

O estilo democrático nas lojas de departamento

Na onda das redes internacionais de fast fashion, os grandes magazines brasileiros vêm fazendo parcerias com estilistas de destaque no mercado nacional para lançar pequenas coleções autorais, com preço acessível. É a tal da democratização do estilo, ou pelo menos deveria ser.

Uma das últimas iniciativas desse gênero foi o lançamento da coleção da estilista Karina Duek para a C&A, que aconteceu no dia 17 de novembro, trazendo roupas femininas, chiques e cool, como bem definiu a estilista no vídeo do making of, que você confere abaixo.

Uma das peças, em especial, me chamou a atenção: uma jaqueta rosa de couro sintético. Além da modelagem perfecto arrojada, com mangas curtas arrematadas por um laço, ela parecia ser feita de material leve e macio, muito similar a um couro verdadeiro de alta qualidade. Tudo isso por apenas R$ 149,90. Um feito e tanto. Pois esta semana, cerca de 15 dias depois do lançamento, chegou a notícia de que a peça tinha se esgotado, sumido das lojas. Cadê a democracia do estilo, pessoal? Se era para fazer algo exclusivo, não precisava ser na C&A, podia ser na boutique da marca, no Jardins.

Hoje, 04 de dezembro, a Riachuelo abasteceu as lojas com a coleção Fashion Five, composta por 5 grandes marcas: André Lima, Huis Clos, Juliana Jabour, Maria Garcia e Martha Medeiros. Confira o vídeo e torça para que as peças tenham uma vida um pouco mais longa, nas araras do magazine, do que as jaquetas da Karina Duek para C&A.

Do que é feita a beleza?

Diariamente classificamos uma infinidade de coisas (objetos, pessoas, lugares, atitudes, textos, etc.) de acordo com sua beleza. Mas o que faz com que uma coisa seja bonita? Responder a isso em termos pessoais, examinando o porquê das nossas preferências, pode parecer fácil mas envolve fatores subjetivos. Afinal, pensamos a beleza ou a sentimos? O que sabemos previamente sobre determinado objeto afeta a avaliação que fazemos dele? E o que faz com que algo seja considerado belo pela maior parte das pessoas?

Perguntas como estas, aparentemente simples, são o ponto de partida do designer Richard Seymour na palestra How Beauty Feels, veiculada no TED. Afinal, como profissional de design, sua função é despertar o desejo das pessoas, fazendo com que elas escolham um determinado produto em detrimento de outros similares. Vale a pena acompanhar a reflexão de Seymour sobre o modo como sentimos com a beleza.