o fator xx

Fazia algum tempo que eu não encontrava uma banda que se destacasse do marasmo musical das “leides gagás”, performáticas e pasteurizadas. Até que conheci o quarteto inglês The xx, alguns meses atrás, quando eles lançaram seu primeiro álbum. O single “Crystalised”, que você confere no vídeo abaixo, fez sucesso instantâneo no iTunes inglês e virou trilha sonora de seriados como Cold Case e Law & Order.

Estreia da nova coluna: Tesouros sem Frescura

Hoje, como parte das mudanças anunciadas no blog, tenho o prazer de apresentar a mais nova colunista do MSF: Liliane Oraggio, jornalista colaboradora de diversas publicações nacionais de grande tiragem. A moça, cheia de talentos, roteiriza, reporta e edita; escreve e fotografa; borda e tricota (com fios e palavras). Não suportou a Faculdade de Psicologia, mas não desistiu de entender a psique humana. Está realizando a formação no Laboratório do Processo Formativo e no Projeto Humanitas (Acompanhamento Terapêutico), em São Paulo.  Conta tudo Lili!

liliane2

Esta coluna, batizada de Tesouros sem Frescura, surge do desejo de fazer uma profundo Feng Shui na minha gaveta de jóias. Sim, quero por na roda gente brilhante que passa no meu caminho, idéias preciosas que chegam aos meus ouvidos, conselhos de ouro das várias sabedorias que nutrem o mundo. Enfim, um mix das descobertas que vou fazendo enquanto circulo pelo jornalismo, pela literatura, pela psicologia e pelas tantas redes em que navego. Enfim, quero compartilhar a papa finíssima que a vida me dá todos os dias.

Papa Fina

bicho-da-varanda

Começo, então, esta coluna, perguntando: quem foi o estilista que rabiscou o modelito desta figuraça?
A natureza é estilista talentosa e organizou muitas moléculas para dar origem a este ser que veio desfilar na varanda aqui de casa, com direito a uma paradinha para fotos e néctar de laranja.
Os pompons nas antenas em curva perfeita, a cor do corpinho e toda a ginga pra se manter na borda da fruta me encantaram. E para completar, ele voa!
Bateu as asinhas e nunca mais… quem souber o nome da criatura, por favor, me diga.

Pão com Intenção

O Sítio Sertãozinho fica a cinqüenta minutos de Belo Horizonte, na Serra de Moeda.
Na casa completamente cercada de flores, vive a Maguidala Guedes, herborista e curadora.
Entre as muitas práticas de cura que acontecem nesse lugar especialíssimo, o Ritual do Pão é o que reúne mais gente, há mais de uma década.
Tudo começou com um sonho. Magui, como é conhecida nas paragens mineiras, sonhou que estava fazendo o pão com a vizinha. Repetiu a cena na realidade. Na semana seguinte, chegaram mais mulheres e assim por diante. Ela e o marido Orestes começaram a abrir sua casa semanalmente, sempre as quartas-feiras, para que a prática fosse feita por mais de 60 pessoas, que se inscreviam e ficavam esperando serem chamadas para a data especial.
Estive lá em duas ocasiões e tive o privilégio de estar nessa prece que renovou minha gratidão e minha conexão com a vida. Ao misturar farinha, água, sal sob o olhar atento da Magui os participantes se concentravam em uma intenção e, em pura alquimia psico-bio-física-e-espiritual entravam em conexão com as qualidades necessárias para o momento vivido. Enquanto a massa crescia, o tempo era aproveitado para a fazer silêncio e contemplar a natureza.
Depois, massa no forno, era hora de ouvir Magui transmitir mensagens individuais, de extrema energia amorosa, indicando os próximos passos a tomar na vida.
Era inacreditável a mudança que acontecia ali, naquelas horas. Me lembro de um grupo de dependentes químicos que chegou com aspecto muito perturbado e, ao término do dia, estavam corados e com olhar sereno. Vivos de novo!
Repeti o ritual com vários grupos de amigos, com crianças, a sós e é sempre uma descoberta que amansa o coração, perfuma a casa e nutre a alma.
Hoje, lá no Sertãozinho, o pão é feito apenas uma vez por mês, por um pequeno grupo. Mas, como fértil multiplicadora, Magui tornou esse conhecimento acessível para mais gente.

oraculo2

Acaba de ser lançada a segunda edição do “Oráculo do Pão – Alquimia & Milagre”. Com projeto gráfico assinado pela Papel e Tudo, em uma caixinha, estão reunidos um livreto contendo a receita do pão, as orientações para o ritual e 33 cartas com as virtudes e as mensagens da Magui. Entre muitas coisas, ela me ensinou que a cozinha pode ser sim um espaço sagrado, perfeito para treinar a presença e a dedicação. Por Liliane Oraggio
Mais informações: www.sitiosertaozinho.com.br; tel. (31) 3575-1164.

yes, nós temos fast fashion! de novo!

(Este é um Post Patrocinado)

cea4

A parceria da C&A com Reinaldo Lourenço deu tão certo que uma nova coleção já está a caminho das lojas! Desta vez, a inspiração gira em torno do glamour do réveillon e do estilo marinheiro. Por isso, as cores predominantes são branco, vermelho, preto e cinza.

cea5

Quem não quiser esperar até dia 3 de dezembro, que é o dia em que as peças aportam na C&A, pode se dirigir ao pier, digo, ao site da marca, para a pré-venda de alguns itens. Já dá para garantir a bela pantalona branca (por R$ 79,90), o shortinho de pregas com corte de alfaiataria (por R$ 59,90), a camisa com mangas bufantes, e um vestido tomara-que-caia que é puro objeto de desejo, neste verão. E diz que desta vez tem uns acessórios bem legais, também! Eu queeeero! (Na coleção anterior, comprei uma calça preta linda, super confortável, e estou usando pencas)

Este é um post patrocinado e ele só está aqui no blog porque eu assino embaixo do conteúdo!

degustando segredos

Nos últimos tempos fui convidada para dois eventos bem legais que uniram tecnologia e gastronomia.

O primeiro, bem inusitado, consistia em um tal de jantar secreto. Eu desconfiava que devia ser o lançamento de algum produto, mas qual? Onde? Com quem? E ainda, qual seria o cardápio misterioso? Comeríamos segredos?

Na data e no horário marcados, um motorista veio me buscar e a primeira coisa que eu perguntei, óbvio, foi o endereço de destino. Como era a alameda Ministro Rocha Azevedo, imaginei que nos dirigíamos para o restaurante Capim Santo, e  já fiquei animada, achando que vinha coisa boa por aí. Lá chegando, me encaminharam para o segundo andar, onde havia uma grande mesa de jantar e uma cozinha profissional, impecável. É lá que funciona a escola de gastronomia da chef Morena Leite.

Juntei-me à turma de blogueiros e personalidades presentes, ansiosa para degustar o menu caprichadíssimo, anunciado pela chef, em pessoa.

As entradas seriam: Tabule de Quinua, Bolinho de camarão, Couscus de Frutos do Mar e Carpaccio de Abóbora. Os pratos principais: Nhoque de Batata Doce (mais do que divino!), Lagosta Flambada na Cachaça, Medalhão com Crosca de Castanha, Linguado Recheado com Farofa de Aratu, Camarão Ensopado, Petit Gateu de Banana (sensacional!) e Arroz com Coco. De sobremesa: Pudim de Castanha, Brigadeiro de Capim Santo, Sagu de Tapioca com Morango e Cheesecake de Goiaba. Nhammmm!

[nggallery id=26]

Antes, porém, nós fomos convidados a pilotar panelas e fogões para fazer uma apetitosa Salada Morna de Lula, Rúcula e Tomate Confit! Que responsa, heim!  Seguindo as dicas de Morena e de sua equipe, e o prato ficou muito bom! Detalhe: todos os ingredientes necessários para a receita estavam acondicionados… nas novas geladeiras Electrolux Infinity.

Verdade seja dita, babei tanto pelo cardápio do jantar quanto pelas inovações da Infinity, que tem ice maker, compartimento gourmet express, dispositivo para gelar bebidas rapidamente, e mais um monte de facilidades para quem gosta de cozinhar e de receber bem!  Além de ter um design bem bacana.

Se você ficou com água na boca para provar estas delícias, acesse o site da Electrolux Infinity. E se você quiser saber quem estava lá, além de mim, aqui tem um monte de fotos e um vídeo, tipo “melhores momentos da gula”! rsrsrs

make-up art

O Portal da Maquiagem está cheio de novidades bacanas para quem gosta da arte criada pelo uso de sombras e pincéis: notícias, tendências e trabalhos dos melhores maquiadores do Brasil. Na seção Galeria, por exemplo, você confere belas imagens com inspiração étnica, criadas pelo beauty artist André Sartori e registradas por Danilo Borges.

Clique nas imagens para vê-las ampliadas.

[nggallery id=25]

Para ver mais imagens, clique aqui.

turista estrangeira

Acontece hoje, às 21hs, na Mercearia São Pedro, o lançamento do Diário de Bordo. O projeto literário é composto por uma série de 30 postais com textos de Lieli Loures, direção de arte de Raquel Alvarenga, e ilustrações de vários artistas: Des16ner, Francisco Martins, Gabriel Malard, Julia Valle, Pedro Hamdan, Raquel Pinheiro, Raphael Righi e Ricardo Donato.

Os textos, escritos em sua maior parte no período em que Lieli morou em Nova York, entre 2004 e 2006, trazem doses pequenas, mas potentes, de diversão e melancolia. Falam da necessidade de pertencimento e da sensação de falta de lugar no mundo.

Talvez você tenha até cruzado com algum destes belos cartões, “que a autora resolveu espalhar gratuitamente pelos botecos e sebos e festas, ao deus dará e saravá!”, como explica o escritor Marcelino Freire, no prefácio da coletânea. A interação íntima entre a obra e o público se tornou tema de trabalhos em universidades, como PUC Rio e Uni-BH.

lieli1

lieli2

Vai lá!

Balada Literária
Dia 21/11/09, (hoje), a partir das 21 horas
Lançamento da coletânea de postais “Diário de Bordo” de Lieli Loures e Raquel Alvarenga
Mercearia SãobPedro, rua Rodésia, 34, Vila Madalena, São Paulo

A arte da rua no museu

Ontem eu tive o privilégio de participar de uma visita guiada, exclusiva para jornalistas, pela exposição “De Dentro Para Fora, De Fora Para Dentro”, que será aberta ao público hoje. Além de ter acesso ao espaço expositivo ainda vazio de pessoas e ruídos, pude conversar com Baixo Ribeiro, um dos curadores da mostra, e com os artistas Zezão, Stephan Doitschinoff, Titi Freak, Ramon Martins e Daniel Melim. Carlos Dias, que também integra a mostra, não estava lá. Foi uma experiência inesquecível. Logo de cara, a visão panôramica do cubo branco do Masp tomado pela arte da rua, me deixou sem fôlego.

expoMasp1jpg

“Apesar de já termos participado de exposições em outros museu,s como o Memorial da América Latina e o Paço das Artes, estar no Masp dá uma nova dimensão de importância e visibilidade para a arte urbana”, disse Baixo Ribeiro.

Daqui a pouco eu conto mais sobre as conversas, por enquanto, tem mais um monte de fotos no Flickr do Moda Sem Frescura! Espia lá!

Beleza aprisionada

Tempos atrás, fiz um post sobre a questão dos padrões estéticos femininos, que falava também dos concursos de beleza de mini miss, muito populares na America do Norte. Pois é exatamente este o tema da exposição “Hight Glitz, The Extravagant World of Child Beauty Pageants” da fotógrafa Susan Anderson, em cartaz na Kopeikin Gallery, em Los Angeles.

As imagens são impactantes: crianças aprisionadas em cascatas de cachos, congeladas em sorrisos e poses pré-moldados. Caricaturas miniaturizadas de um sonho distorcido de beleza artificial, onde não há lugar para o espontâneo, para o imprevisto, para a ingenuidade. Essas meninas parecem aves bizarras, empalhadas, laqueadas.

[slideshow id=24]

(via blog da Cavalera)

Susie Bubbles – entrevista exclusiva

Tenho algo bacana para anunciar: o Moda Sem Frescura vai mudar. Há algum tempo venho pensando sobre isso, amadurecendo ideias, escolhendo caminhos. O fato é que muita coisa aconteceu desde que comecei a blogar, 3 anos atrás. Hoje, tenho vontades e expectativas diferentes em relação a este espaço. Por isso, de agora em diante, vão pintar mil novidades por aqui (*música de suspense*) e eu espero que vocês gostem!. A primeira delas é  inclusão de colaboradores, como Maria Eugenia Tomazini,  jornalista de moda que mora em Londres e assinará matérias mensalmente.

Ela se mudou para lá há 2 anos, para cursar um sonhado mestrado em Jornalismo de Moda na London College of Fashion. Atualmente, trabalha para o escritorio inglês da Première Vision – maior feira de tecidos e pesquisa de tendência de moda do mundo -, é colaboradora da revista Vogue Brasil, e assina uma coluna na Moda Moldes. Ainda assim, encontra fôlego para manter o blog Get Involved, junto com duas amigas, fazer produções de moda – sim, além de jornalista a moça é stylist. E agora…trazer um pouco do que rola em Londres para o Moda Sem Frescura! Ufa!

meugenia3

Maria Eugenia (foto acima) estreia entrevistando, com exclusividade para o Moda Sem Frescura, uma das blogueiras de moda mais influentes do mundo: Susie Bubbles! Espero que vocês apreciem o texto tanto quanto eu!

A GAROTA DA BOLHA

Foi-se o tempo em que os bloggers ficavam no fundo das salas de desfiles ou que sua presença era simplesmente cortada de alguma festa bacana. Hoje eles estão na mira de todas as assessorias de imprensa, ganharam visibilidade a ponto de estampar periodicamente as revistas de moda mais descoladas do mundo e, claro, ganharam assentos mais próximos da passarela.

No último desfile da Dolce&Gabbana em setembro, blogueiros convidados – além de se sentarem na primeira fila – receberam laptops para postar sobre a coleção minuto-a-minuto. A Burberry foi mais ousada, passou os compradores para a terceira fileira, e reservou as duas primeiras para os blogueiros, mostrando que com a mudança dos tempos, talvez uma imagem num blog valha mais do que meia dúzia de casacos vendidos em alguma longínqua boutique árabe.

A facilidade de começar um blog e, poucos posts depois, já fazer cartão de visita com o título de ‘blog de moda’, em muitos casos banalizou a informação e fez surgir um exército de gente com opinião vazia, baseada em achismos. Por outro lado, também deu voz a gente talentosa que, por falta de espaço, não era ouvida, como é o caso de Susie Bubbles.

Filha de pais chineses, nascida na Inglaterra, Susie começou o seu diário online, Style Bubbles, há 3 anos e ele recentemente foi selecionado pela revista Newsweek como um dos maiores influenciadores da opinião pública – vale lembrar que nessa eleição da revista norte-americana estavam blogs sobres os mais diversos assuntos, incluindo política.

O apelido ‘Bubbles’ foi dado por uma amiga quando ainda estavam no primário. “Todo mundo achava que eu vivia dentro de uma bolha, que tinha o meu mundo particular”, explica. De fato, para aqueles pouco familiarizados com moda e com seu mundo, as criações de Susie, assim como sua estética, podem parecer um pouco over the top.

Deixando de lado essa primeira impressão, descobre-se uma menina extremamente talentosa que não teve medo de ser ‘a estranha’ durante os duros anos de colégio e, hoje, se senta na primeira fila da Chanel, têm mais de 10 mil acessos diários no blog e recentemente tornou-se editora de moda da Dazed&Consfused Digital – bíblia da moda e comportamento dos modernos. Confira abaixo o papo rápido que tivemos:

Com certeza não existe receita para um blog cair no gosto do povo. Mas, na sua opinião, o que é importante num blog?
Susie Bubbles: Uma voz original e conteúdos que já não foram replicados por toda a blogosfera. E, acima de tudo, ter uma opinião única.

Você sente que existe algum tipo de preconceito por parte das assessorias de imprensa e estilistas com relação a cobertura online?
SB: De forma alguma. Claro que depende do que se está cobrindo e, óbvio, revistas e jornais ainda são preferenciais. Mas acredito que as assessorias abrem espaço, de acordo com a qualidade da sua informação e, claro, da quantidade de leitores do seu blog.

Você conhece algum estilista ou artista brasileiro?
SB: Infelizmente não muitos. Gosto do trabalho da Cavalera, da Osklen e de Alexandre Herchcovitch.

No momento, quais são os seus designers e bloggers favoritos?
SB: Amo o Luxirare.com e o blog Foxyman. Com relação aos designers, estou apaixonada por David Koma, Fannie Schiavoni, Anthony Vaccarello, Don the Verb e Helena Lumelsky.

O que você acha dessa história de celebridades virando estilistas? Como o caso de Lindsay Lohan para Ungaro, por exemplo.
SB: Se apresentarem um bom trabalho não tenho nenhum problema com isso. Mas infelizmente, na maior parte das vezes, seus trabalhos não passam de rascunhos. Mas existem exceções, como as irmãs Olsen e a The Row. Assim, curto e grosso: o estilo e o design devem ser mais importantes do que o fato de haver uma celebridade por trás da marca.

Hoje seu blog é famoso e seu estilo virou referência no mundo fashion. Tiveram situações difíceis ao longo desses 3 anos, em que você pensou em desistir? Momentos em que você, simplesmente, não tinha tempo para escrever?
SB: O blog nunca foi meu trabalho. Ele é o meu hobby por isso nunca senti como uma tarefa ou estressante. É um prazer porque posso fazer o que quiser e não me sinto pressionada a escrever todos os dias. Por ser algo que me completa é um momento que tenho só para mim e minhas idéias. Por isso, sempre tenho tempo.

Então você quer dizer que nunca quis trabalhar com moda ou usar o blog – algo pelo qual você tem tanta paixão – como sua profissão e ganhar dinheiro?
SB: Não. Sempre tive outros trabalhos e, antes de começar na Dazed, eles não tinham nada a ver com moda. O emprego na Dazed foi meio acidental, fui pega de surpresa. Teria sido feliz também no trabalho anterior, que não tinha nada a ver com isso. O blog é a minha maneira de satisfazer uma paixão pessoal. Confesso que, às vezes, é melhor NÃO trabalhar com moda porque você pode aproveitar muito melhor o seu hobby.

Há uns tempos você viu seu nome metido no meio de uma confusão com a estilista Pam Hogg. (Susie foi fotografada usando um macacão da estilista enquanto visitava sua loja. Postou a foto no blog e a turma de Pam teve um chilique alegando que era uso indevido de propriedade intelectual, uma vez que a blogueira não havia comprado o macacão. Chamaram de ‘má publicidade’ e pediram a remoção imediada do post. Susie o fez mas, não deixou em branco: postou uma excelente reposta e encerrou o caso – leia aqui a íntegra do post . Como terminou essa história?
SB: Confesso que nunca tinha me acontecido algo assim antes, mas acredito que tudo não tenha passado de um enorme erro de comunição. Por causa da rapidez com que a informação se espalha na internet, todos ficaram sabendo. Pam Hogg em pessoa, nunca chegou a entrar em contato comigo. E a história acabou ali.

Por Maria Eugenia Tomazini

um plus a mais

glamour

Qual foi a última vez que você viu um mulherão desses, com curvas voluptuosas, na capa de um revista de moda?

Se você é da turma dos fashionistas, certamente viu Beth Ditto, vocalista do Gossip, na capa do primeiro número da revista LOVE, em fevereiro deste ano. Ela é o primeiro ícone pop a quebrar a ditadura da magreza, em muito tempo. Ditto, que além de gorda é uma lésbica militante, assumidíssima, chamou a atenção até mesmo da poderosa Anna Wintour. Um parêntesis sobre o assunto:

Pessoalmente, não acredito que a diretora da Vogue America tenha mudado sua visão sobre os padrões estéticos femininos. A revista publica um ou outro editorial com foco em diferentes tipos físicos, com alguma moça mais carnuda, uma vez por ano, e só. No restante do tempo, são veiculadas milhares de imagens que reforçam o estereótipo do corpo esguio. O fato da revista LOVE, de Katie Grand, também pertencer à Condé Nast,  é significativo. Certamente, La Wintour não quer perder o trono de grande dama de moda. Fecha o parêntesis.

love1

A imagem lá no topo do post, que mostra sete belas modelos com vários centímetros a mais de seios, coxas e quadris, não foi publicada na capa, mas sim na seção de saúde da revista Glamour norte-americana. E mesmo assim, eu diria que é um marco no mercado de revistas femininas. A foto ilustra uma matéria/manisfesto em que a publicação assume o compromisso de mostrar, a partir de agora, e de forma consistente, mais mulheres curvilíneas.

A autora da matéria, Genevieve Field, conta que tudo começou em setembro, quando a foto de uma modelo plus size, também nua, começou a receber muitos comentários no site da Glamour.com. Isso chamou a atenção da equipe, levando à uma inevitável pergunta: se existe uma legião de mulheres acima do peso considerado “normal” e elas manifestam o desejo de se verem representadas na mídia e na moda, porque são sumariamente ignoradas?

“Em primeiro lugar existe o problema do tamanho das roupas. A maior parte dos estilistas de ponta, não fabrica roupas maiores do que 42”, explica Genevieve Field. E a razão disso, apontada por uma pessoa que faz pesquisa de mercado, é simples: puro preconceito.  “Ainda existe um grande estigma com relação aos tamanhos grandes, no mercado de moda de vanguarda. Me mostre uma marca que está disposta a ligar sua imagem (e de seus licenciados) a isso, e terá encontrado uma empresa progressista”, diz Marshal Cohen.

Mas mesmo que mais estilistas se disponham a aumentar a numeração de suas peças, ainda existe a questão do mostruário. É que as peças fotografadas pela imprensa são confeccionadas em tamanho…36/38! A editora de moda senior, Maggie Mann, conta que quando eles vão fotografar alguém com medidas fora do padrão, sempre levam uma costureira para fazer adaptações e abrir as costuras. As únicas exceções acontecem quando as celebridades ganham roupas sob medida feitas por algum estilista.

Outro ponto importante, citado com bastante honestidade na matéria, é que as modelos que trabalham como plus size, nem são tão grandes assim. Elas estão mais para 42/44 do que para GGG. Uma delas, inclusive, diz que costuma levar enchimentos de espuma para rechear as roupas, quando vai posar para catálogos de marcas de tamanhos grandes.

Enquanto muitas mulheres escreveram para a Glamour para demonstrar o apreço por aquela imagem de mulher “real”, outras fizeram críticas duras, dizendo que a revista estaria estimulando hábitos pouco saudáveis e até a obesidade. Na minha opinião, isso demonstra claramente a neurose de uma sociedade obcecada pela aparência, pela magreza e pela ideia de perfeição.

Uma foto como aquela, com mulheres bonitas que assumem suas formas com alegria e sensualidade, não causa mais do que o aumento da auto-estima. A saúde é importante e deve ser cuidada, não importa aonde caia o ponteiro da balança. Uma gordinha de bem com seu corpo pode ser muito mais saudável do que uma magricela que se entompe de remédios e se priva de alimentos.

Em resumo, a revista se compromete, formalmente, a mostrar mais corpos de tamanhos variados, a celebrar as pequenas imperfeições que, afinal, nos tornam únicos, e a apoiar os estilistas que abraçarem a causa e produzirem roupas bacanas para vestir as formas arredondadas das mulheres reais.

No Brasil, o mercado de moda obedece ao mesmo padrão. As marcas do segmento high fashion  fazem roupas até o tamanho 44, e olhe lá. Os grandes magazines, como Renner e C&A, são um pouco mais democráticos, tanto no preço quanto na numeração, que atende até o 46/48. Além disso, é preciso se dirigir às lojas especializadas.

Eu mesma, no período em que trabalhei na revista Marie Claire, produzi 3 matérias sobre o tema, e senti a dificuldade de encontrar roupas que traduzissem as tendências de moda para quem tem um corpo maior do que a média.

Uma outra coisa que sempre me irrita, em manuais de estilo, é o tom de “correção”  e “propriedade” dos conselhos, tipo: “Se você está acima do peso, procure emagrecer! Enquanto isso, use roupas de tecidos leves e soltos, que não marcam o corpo”.  Embutido nesse discurso está a mensagem de você só será chique se for magra, e até lá, deve camuflar seus defeitos sob uma boa quantidade de pano.

Ontem, coincidentemente, o programa da Hebe recebeu Preta Gil e uma turma de mulheres plus size, responsáveis pelo blog Mulherão. Preta reafirmou que não tem o menor o pudor em usar biquíni, e que processou (e ganhou) as revistas que publicaram fotos suas, na praia, com legendas ofensivas falando do seu corpo.

As blogueiras Renata Poskus Vaz, Dani Lima e Keka Demétrio, afirmaram a determinação de se assumirem como são, “gostosas e em paz com a balança”. Elas anunciaram, inclusive, que pretendem organizar uma espécie de Fashion Week para mulheres plus size, em janeiro. Preta, é lógico, foi convidada a a ocupar o cargo de top model.

Outro blog que fala sobre o tema, além do Mulherão, é gringo Fatsionista, de Amanda Piasecki e Lesley Kinzel, que tem uma comunidade colaborativa no Flickr, em que as pessoas podem postar fotos dos seus looks.